Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Mensalão’

Ainda dá pra ver a política em seu sentido positivo? Será que o STF, no julgamento do mensalão ajudará a isso? No link a segui faço alguns comentários sobre o tema.

O mensalão, a corrupção e a “fratura” no conceito de política.

Anúncios

Read Full Post »

O Escândalo do Mensalão

O Escândalo do Mensalão.

Dissertação apresentada sobre a disputa pelo poder simbólico entre Lula e a Folha de S. Paulo na conjuntura do escândalo do mensalão. É só clicar e ler.

Read Full Post »

09Uma grande base aliada pode ser bem frágil – Observatório da Imprensa, seção “Feitos e Desfeitas”, em 07/06/2011, ed. n. 645;

Novo artigo publicado no Observatório da Imprensa e que trata de uma hipótese acerca das CONDIÇÕES POLÍTICAS QUE GERARAM O MENSALÃO.

Read Full Post »

Os 6 anos do mensalão, suas origens políticas e o modelo que o perpetua.

Dificil pensar e escrever sobre corrupção sem uma forte indignação. Mas, é bom pensar sobre o que existe de fragilidade política nas relações entre o Executivo e o Congresso para não se ficar acreditando que tudo é culpa da “mídia” ou de “políticos inescrupulosos”. Talvez nós também tenhamos alguma culpa no cartório. Clique no link acima para ler.

Read Full Post »

Condições políticas que geraram o mensalão.

Que condições propiciaram o surgimento do mensalão? A seguir, ofereço uma hipótese explicativa para o surgimento desta prática nociva de relacionamento entre o Governo e o Congresso Nacional.

Read Full Post »

Blindagem de Palocci me lembra novembro de 2005.

Palocci não cansa de fornecer elementos que “ferem” a boa política, mas sempre foi um homem de “confiança” da oposição.

Read Full Post »

Últimas do Mensalão – VIII

Últimas do Mensalão – VIII.

Sobre recentes declarações de que o mensalão é “parte da História”…

Read Full Post »

As Últimas do Mensalão – VII (a refiliação de Delúbio).

Mais um episódio…desta vez comento a volta de Delúbio ao PT.

Read Full Post »

Em sua “entrevista da 2a”, a Folha de S. Paulo trouxe comentários do ex-procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza, responsável pela denúncia do mensalão no STF, sobre o andamento do processo, em especial sobre a demora da PF em concluir o relatório sobre a origem do dinheiro do esquema, relatório que foi solicitado à PF cinco anos atrás. O ex-procurador defende a tese de que existem motivos suficientes para a condenação dos 38 réus, sendo o principal deles o fato de que parte relevante dos valores é de recursos públicos.

O ex-procurador diz que o resultado do relatório da PF confirma o que foi descrito na denúncia quanto às fontes dos recursos. O problema, segundo ele, é a demora, pois nem sempre o assunto foi prioridade na PF, afinal o tempo de 5 anos demonstra isso. Diante do fato de alguns indiciados estarem retornando a postos políticos o ex-procurador é bem claro: rata-se de uma “reabilitação política”, o que “não pode sugerir que tudo passou de uma invencionice. Estou plenamente qualificado a dizer que tal suposição é incorreta”. O fato é que, judicialmente, há elementos suficientes para a condenação dos réus. A palavra agora está com o Supremo Tribunal Federal. “Independentemente do resultado do julgamento, fica a afirmação de que coisas públicas devem ser usadas apenas com finalidade pública, para atender à sociedade. A Justiça tem importante função educativa”.

Fica claro na entrevista do ex-procurador o quanto esta disputa, que agora está no âmbito da Justiça, ainda tem de conteúdo simbólico. Quando ele diz que nada pode sugerir que se tratou de uma “invencionice” está se referindo à determinação explícita do ex-presidente Lula em oferecer um juízo sobre o caso negando a existência do mensalão e, no máximo, aceitando “erros eleitorais” referentes a “caixa dois”. Pela tese do ex-presidente os culpados destes erros já haviam sido punidos.

Não há dúvida que o ex-presidente se apóia na sua capacidade de impor uma hegemonia discursiva (uma explicação sobre o caso) para reduzí-lo a um “errar é humano” cuja punição se deu estritamente pela via partidária e política. Mas, e o papel da Justiça? O ex-presidente, na sua insistência discursiva, revela um apego demasiado frágil na justiça. Está certo que esta via também não significa a garantia de muita coisa, mas se reduzirmos tudo à política só restará como fonte de verdade a “palavra” e, nesse caso, a retórica popularesca é sempre imbatível.

Quando o ex-presidente colocou-se a missão de revelar a “farsa” que foram as acusações e construiu todo um arsenal de narrativas e formas simbólicas para mostrar que tudo não significou corrupção, colocou seu patrimônio ético pessoal em jogo. A questão é que… o jogo ainda continua. Não é a “reabilitação política” de acusados que encerrará a questão. Também não será o resultado do STF que encerrará a questão. Muito ainda sobre o que se escrever sobre o tema. Esse é daqueles temas que não podem ser diluídos tão facilmente, pois será sempre uma boa oportunidade de se discutir a forma como a política é feita em nosso país.

Entrevista: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po1804201112.htm

Read Full Post »

A disputa pelo poder simbólico no escândalo do mensalão (IV Compolítica).

Artigo para comunicação no IV Compolítica, entre 13 e 15 de abril na Universidade Estadual do Rio de Janeiro de 2011.

Read Full Post »

Older Posts »